sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

«Anna Karenina» [Movie Bites]



Foi na noite de ontem... mas ainda parece que consigo sentir todas as emoções, todos os gestos, todos os momentos de suspense, de deslumbramento, de alegria e tristeza que, tão belissimamente, com tanto requinte, perfazem a mais recente magistral obra de Joe Wright, numa «moderna» e assombrosa adaptação cinematográfica de um dos mais emblemáticos clássicos literários. Anna Karenina é muito mais do que uma história de amor, é muito mais que uma narrativa sobre uma mulher que decidiu ser dona do seu destino, que decidiu ser feliz, que decidiu lutar e viver o verdadeiro amor, mesmo indo contra os ideais de toda uma sociedade rígida e determinada a seguir as normas do bom-tom. Anna Karenina é uma história sobre força, é uma história sobre luta, sobre dúvidas, sobre traições, sobre paixões, sobre... a vida, e é esse realismo, é esse sufoco e esse fascínio, trespassado para o público através de performances do mais alto nível, o que verdadeiramente torna esta obra – pelo menos, para mim – uma masterpiece.


Se por um lado, ainda não tive a felicidade de ler a magnífica Anna Karenina de Lev Tolstoi, por outro, a minha vocação profissional, o meu constante objecto de estudo, de encanto, foi um segundo entrave que consegui ultrapassar, centrando-me, exclusivamente, na maravilhosa visão de Wright ao invés de pensar nas palavras de Tolstoi ou em toda e qualquer componente técnica que envolve, com graça e esmero, este filme. São muitas as particularidades curiosas, referente a este último aspecto, percepcionadas ao longo de mais de duas horas de puro deleite, desde a beleza inconfundível e esbelta dos cenários, à própria escolha da realização, passando por uma montagem, uma edição aprimorada, um guarda-roupa esplendoroso, e uma escolha de cast simplesmente espectacular, perfeita. Mas o que profundamente enaltece esta versão russa de um clássico, é mesmo a criatividade de Wright ao persistir numa abordagem arriscada, bastante teatral, mas que nesta história em particular funciona às mil maravilhas. Sem Wright, de certo que esta teria sido mais uma adaptação de entre muitas que, actualmente, invadem o mercado fílmico como abelhas a um pote de mel.


Admito ter-me sentido um pouco relutante em relação à possível prestação de Keira Knightley, pela simples razão de não ser uma das presenças femininas que mais gosto de ver no grande ecrã, mas verdade seja dita – tiro-lhe o chapéu. Uma vez mais, Knightley convenceu e mostrou o porquê de ser sempre a escolha de eleição, a personificação do que de mais gracioso e histórico existe actualmente, com uma prestação que ora me fez sorrir, ora me fez suspirar, ora me fez arrepiar dada a sua grandiosidade inerente, a sua inexorável paixão. Destaco ainda, e a um nível inteiramente pessoal, Matthew MacFadyen pela interpretação exímia de um papel que confere um certo humor, uma certa graça a uma obra profundamente emocional, e Aaron Taylor-Johnson, por um desempenho assustadoramente apaixonante, assustadoramente ousado. Para enorme infelicidade, senti que Jude Law se viu algo «escondido», algo «inferiorizado» face duas representações, duas suas companhias, muito poderosas. Ainda assim, foi, para mim, positivo ver um lado mais sério e rígido de um Law que sempre encarei descontraído e divertido.


Muito, muito mais existe por dizer sobre Anna Karenina, mas de uma sessão que me deixou tão completamente estarrecida, tão completamente maravilhada, impressionada, assombrada, pouco mais é o que conseguirei escrever. Somente posso recomendar este filme a todo e qualquer espectador, a todo e qualquer apaixonado por uma boa história de amor, a todo e qualquer aficcionado por uma realização especial, a todo e qualquer corajoso que se ache capaz de enfrentar uma Anna poderosíssima. Quanto ao final... o final deixou-me totalmente pregada à cadeira, deixou-me de lágrimas nos olhos e tremeliques nas mãos, deixou-me apaticamente comovida por aquela que somente desejava ser feliz... Se toda a traição, se todas as suspeitas, se todos os receios, se todos os motivos que levaram Anna ao seu culminar da rebeldia, do impressionismo, eram reais, não sei. Mas espero muito breve descobrir com a leitura do romance, agora, com a adição de toda uma série de rostos exímios para me fazer companhia.
Antes de terminar, quero somente deixar uma referência para três cenas em particular que me marcaram cinematograficamente – a sublime sequência de dança entre Anna e Vronsky, a corrida de cavalos que me roubou o fôlego, e o último debate emocional de Anna, na estação de comboio, antes do seu último acto. Mas em suma, adorei e... foi um filme que me deixou quase, quase, sem palavras.


2 comentários:

v_crazy_girl disse...

Este filme tenho que ver! Deve estar fenomenal! Eu gosto muito destes filmes históricos baseados em clássicos e nos últimos que mais gostei a actriz Keira Knightle está sempre neles ("Orgulho e Preconceito", "Atonement"...). Ela tem jeito para representar estes papéis e o director Joe Wright sabe disso, não fizesse ele todos os seus filmes desse género com ela como actriz principal. Estou muito curiosa pelo livro e pelo filme!

p.s. deixei.te um selinho no blog.

Bjs*

Pedacinho Literário disse...

Oh, Crazy, este filme é de loucos! O Wright deu-lhe um toque tão especial, tão único, tão emotivo que é impossível despregar os olhos do ecrã! Sim, sem dúvida que a Keira é a escolha perfeita para qualquer papel que meta algo histórico, não é actriz que goste muito mas tem vindo a conquistar-me gradualmente. =)
Obrigada pelo selinho!
Beijinhos

2009 Pedacinho Literário. All Rights Reserved.